Editorial #26

Tenho pensado muito na morte do Steve Albini. Como veio de repente, sem aviso, como me deixou sem chão.

O Steve, de certa forma, sempre influenciou a forma como vejo a música, e como é possível crescermos com os erros e merdas francamente absurdas e nojentas que dissemos no passado. Ele não era role model algum – ele odiaria ser visto dessa forma – mas é impossível não pensar no ethos com que abordava o seu trabalho como “engenheiro” (ele detestava a tag de produtor) nos discos em que trabalhava. 

A quantidade de palavras que se escreveu sobre o Steve nas últimas semanas dava para encher livros. O seu impacto no universo do meu querido rock alternativo é inegável e o seu legado no mundo da música é impossível de quantificar. A lista de discos em que trabalhou é interminável e nem sequer consigo nomear todos em que ele trabalhou que figuram na minha coleção de favoritos.

O Steve respondia a todos os e-mails e atendia sempre o telefone (pelo menos, as histórias assim o dizem). Desde que, claro, as pessoas a entrar em contacto tivessem as intenções certas.

Gosto de pensar que aplico algo disso na forma como vejo a minha escrita. Fazê-la de forma rápida e eficiente, sempre pelo amor à música, e não por qualquer estatuto que possa obter disto (apesar disso, quem me dera que eu e grande parte das pessoas que escrevem na Playback fizessem vida disto).

Numa entrevista ao Guardian em 2023, Albini dizia o seguinte sobre o seu ofício e o seu trabalho no seu estúdio, o Electric Audio, localizado em Chicago, Illinois.

“Estou a continuar a trabalhar e isso é o que importa para mim. Estava a trabalhar ontem e vou trabalhar amanhã e vou continuar a fazê-lo.”

Como te entendo, Steve. Enquanto estiver a escrever, só isso me importa. E escrevi ontem, escreverei amanhã e escreverei até não o conseguir fazer mais.

A ti, camarada.

Cucujanense de gema, lisboeta por necessidade. Concluiu um curso de engenharia, mas lá se lembrou que era no jornalismo musical e na comunicação onde estava a sua vocação. Escreveu no Bandcamp Daily, Stereogum, The Guardian, Comunidade Cultura e Arte, Shifter, A Cabine e Público, foi outrora co-criador e autor da rubrica À Escuta, no Espalha-Factos, e atualmente assina textos no Rimas e Batidas e, claro está, na Playback, onde é um dos fundadores e editores.
Artigos criados 32

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo